Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Winter Wonder

Segunda-feira, 01.12.14

 

 

 

nature-landscapes_hdwallpaper_winter-cabin_8172.jp

 

A pálida luz da manhã de Inverno,

        O cais e a razão

Não dão mais esperança, nem uma esperança sequer,

        Ao meu coração.

        O que tem que ser

 

4752_Winter-Cabin-Windows-7-Scenery-Desktop-Wallpa

 

Será, quer eu queira que seja ou que não.

No rumor do cais, no bulício do rio

        Na rua a acordar

Não há mais sossego, nem um vazio sequer,

        Para o meu esperar.

        O que tem que não ser

Algures será, se o pensei; tudo mais é sonhar.

                                            Fernando Pessoa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por VANDOVSKY às 00:01

Poema de Natal

Terça-feira, 24.12.13

 

 

Para isso fomos feitos:

Para lembrar e ser lembrados

Para chorar e fazer chorar

Para enterrar os nossos mortos —

Por isso temos braços longos para os adeuses

Mãos para colher o que foi dado

Dedos para cavar a terra.

 

Assim será nossa vida:

Uma tarde sempre a esquecer

Uma estrela a se apagar na treva

Um caminho entre dois túmulos —

Por isso precisamos velar

Falar baixo, pisar leve, ver

A noite dormir em silêncio.

 

Não há muito o que dizer:

Uma canção sobre um berço

Um verso, talvez de amor

Uma prece por quem se vai —

Mas que essa hora não esqueça

E por ela os nossos corações

Se deixem, graves e simples.

 

Pois para isso fomos feitos:

Para a esperança no milagre

Para a participação da poesia

Para ver a face da morte —

De repente nunca mais esperaremos...

Hoje a noite é jovem; da morte, apenas

Nascemos, imensamente.

Vinicius de Moraes

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por VANDOVSKY às 07:37

Os sapatos na chaminé

Segunda-feira, 23.12.13

 

 

Quando, na noite de 24 de Dezembro de 286, os irmãos Crispim e Crispiniano fugiam às perseguições, em Crepy-Valois, fartaram-se de bater às portas das casa, mas ninguém lhes deu abrigo.

 

Acolheu-os, numa cabana escondida num bosque, quase a desmoronar-se, uma viúva que vivia miseravelmente com o filho. Deu-lhes uma tigela de caldo de couves e dois nacos de pão negro.

 

Contentes, os dois irmãos, que eram soqueiros, pediram a Deus que recompensasse a generosidade da viúva.

 

 

Crispim viu a um canto um par de socos velhos, do rapazinho, fez um par deles novos e colocou-os à beira da pedra da lareira, enquanto a viúva e o filho dormiam. Quando eles acordaram repararam que os dois hóspedes tinham desaparecido e na lareira estava um par de socos novos, transbordante de moedas de ouro.

 

Desde o séc. III, segundo a lenda, todas as crianças põem os socos na lareira, na esperança de que se repita o milagre feito por intermédio dos santos padroeiros dos sapateiros São Crispim e S. Crispiniano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por VANDOVSKY às 08:00





      

mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30






comentários recentes

  • VANDOVSKY

    Obrigada... Bom Ano...

  • Milton

    Uma singela postagem.Cordial abraço e um excelente...

  • linda

    Saudades dos que a minha avó fazia:'(

  • VANDOVSKY

    Parece que finalmente encontrei a música que falta...

  • Libania Neves

    Ora aqui está um post, que é uma verdadeira lição ...

  • Libania Neves

    fiquei com vontade de conhecer!

  • Libânia

    belo e "doce" post!

  • Existe um Olhar

    Adorei esta ideia dos puzzles! Pequenos detalhes q...

  • VANDOVSKY

    Olá Manu,Tal como comecei por dizer neste post, es...

  • Existe um Olhar

    Um passeio muito bonito que fiz através do teu olh...





subscrever feeds