Sábado, 14 de Abril de 2012

A cerejeira

 

 

 

Da flor aos frutos – a celebração:

a frágil floração anunciando

que na pureza se colora o sangue

que no altar da terra é devoção.

 

Surgiu como a beleza – nos confins

do tempo em que nasceu a primavera:

por isso nela nunca o branco finda

porque o vermelho nele se conserva.

 

 

 

Seu ramos de manhãs tão generosos

dobram-se ao peso da prosperidade,

e felizes nas dávidas dobradas

aguardam bocas ávidas donosas.

 

Renega a dor, a deusa da alegria!

Mitiga sede o leite dos seus seios!

Senhora humilde vigilante dizem

que protege a fartura das colheitas.

António Salvado

sinto-me:
tags: ,
publicado por VANDOVSKY às 17:18
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Existe um Olhar a 16 de Abril de 2012 às 18:52
Lindas as fotos, nunca vi nenhuma ao vivo.

Manu

comentar post...

                     Este    Blog              utiliza     o      Google                  Chrome

restos de mim

encontre outros restos

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30


novos restos

Primavera

Inscrição para uma lareir...

A neve

Quando Está Frio no Tempo...

David Bowie... Sempre

Winter Wonder

Menino

Clandestinos do Amor

UPI na Escola

Momentos de inspiração VI...

Momentos de inspiração VI

Momentos de inspiração V

Palavras de mãe

Dá-me um beijo

Dia nacional do estudante

Dia da mulher

Vamos adivinhar II

O Vento que soa...

De passagem por Monsanto....

A cerimónia do chá II

restos conservados

mais inspiradores

tags

todas as tags

restos especiais

Música Tradicional da Bei...

A minha Aldeia

Aldeias Históricas... e n...

Momento musical

outros caminhos