Domingo, 22 de Dezembro de 2013

João e o pé de feijão

 

 

 

       

 

 

 

Era uma vez um rapaz chamado João. Ele vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe estava desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes. Às vezes, eles passavam fome mas escondiam essa situação dos vizinhos e dos familiares.

  

 

 

Com muito sacrifício, a mãe comprara uma vaca mas já não conseguia sustentá-la convenientemente e decidiu vendê-la. O rapaz ficou com muita pena, pois gostava muito dela e tratava-a muito bem: dava-lhe de comer e beber e mimava-a. Na escola, a professora ensinara-o a respeitar os animais.

 

Um dia, a mãe pediu-lhe para levar a vaca até à feira e vendê-la pelo melhor preço. Pelo caminho, encontrou um homem que lhe fez uma proposta tentadora: trocar a vaca por um punhado de feijões que disse serem mágicos. João não hesitou, pois pareceu-lhe ser uma troca justa.

 

Contrariamente ao que o João previra, a mãe achou que ele tinha feito um negócio ruinoso e, num gesto de cólera, atirou os feijões pela janela. João nem esboçou sequer um protesto. Ficou muito arrependido e foi-se deitar, muito triste, pois contribuíra involuntariamente para aumentar as dificuldades da mãe.

 

 

  

Na manhã seguinte, João acordou sobressaltado. Pareceu-lhe ouvir um ruído lá fora. Levantou-se, espreitou pela janela da cabana e ficou estupefacto: um enorme feijoeiro crescera junto à janela. João correu para o exterior.

 

As crianças são curiosas… e João não era excepção. Sem hesitar, começou a trepar, ou melhor, a escalar aquela planta gigantesca, altíssima, que crescera,sem dúvida, de um feijão mágico. O rapaz recuperou a boa disposição habitual.

 

Corajosamente, trepou, trepou, trepou, até passar acima das nuvens. Quase tocava no céu. Quase sem fôlego, o rapaz continuou a sua escalada. Parecia nunca mais ter fim.

 

Até que, finalmente, chegou ao cimo do feijoeiro. Com enorme surpresa, como se fosse um sonho, João viu um castelo maravilhoso, tal como os castelos encantados, com as suas torres pontiagudas a perfurarem o céu.

 

 

O João seguiu por um caminho à beira de precipícios. A porta estava aberta e reinava o silêncio. Cheio de curiosidade, mas um pouco receoso, entrou no castelo.

 

Quando chegou ao salão, reparou num armário cheio de ovos de ouro. Em cima da mesa, estava uma galinha e uma harpa estranha e brilhante, que também atraíram a atenção do João.

 

Subitamente, ouviu o som de passos assustadores que faziam estremecer o chão e uma voz cavernosa ecoou pelo castelo.

 

Subitamente, ouviu o som de passos assustadores que faziam estremecer o chão e uma voz cavernosa ecoou pelo castelo.  

 

 

“Toca”, gritou novamente o gigante, dirigindo-se à harpa. Ela tocou a mais bela melodia que alguma vez João ouvira. Ficou tão maravilhado que pensou: “Quem me dera dar aquela harpa à minha mãe!”

 

Entretanto, o gigante adormeceu, ao som daquela melodia.

 

João saltou do armário, trepou pela perna da mesa e agarrou

rapidamente a galinha e a harpa. Depois, correu o mais depressa possível para fora do castelo.

 

 

“Socorro”, gritou a harpa, ao sentir-se agarrada, tentando acordar o gigante. As pernas do João responderam com uma correria desenfreada a caminho do feijoeiro salvador.

 

O gigante acordou sobressaltado, ainda a tempo de ver o rapaz a fugir do castelo. “Vou-te apanhar! Fi, Fi, Fó, Fum! Mau como eu não há nenhum!”, gritava ele. Apressadamente, João começou a descer o feijoeiro.

 

O gigante vinha mesmo atrás dele.

 

”Vou-te apanhar! Fi, Fi, Fó, Fum! Mau como eu não há nenhum!”, continuava o gigante, agarrando-se ao feijoeiro.

 

Quando terminou a descida, João gritou “Mãe, corta o feijoeiro! DEPRESSA!”

 

 

Rapidamente, a mãe foi buscar um machado e cortou, cortou, cortou tanto o feijoeiro, que ele tombou com um estrondo enorme. O mesmo destino teve o horrível homenzarrão.

 

A partir daquele dia, O João e a mãe puderam levar uma vida feliz, sem pobreza.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por VANDOVSKY às 06:33
link do post | comentar | favorito

                     Este    Blog              utiliza     o      Google                  Chrome

restos de mim

encontre outros restos

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30


novos restos

Primavera

Inscrição para uma lareir...

A neve

Quando Está Frio no Tempo...

David Bowie... Sempre

Winter Wonder

Menino

Clandestinos do Amor

UPI na Escola

Momentos de inspiração VI...

Momentos de inspiração VI

Momentos de inspiração V

Palavras de mãe

Dá-me um beijo

Dia nacional do estudante

Dia da mulher

Vamos adivinhar II

O Vento que soa...

De passagem por Monsanto....

A cerimónia do chá II

restos conservados

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

mais inspiradores

tags

todas as tags

restos especiais

Música Tradicional da Bei...

A minha Aldeia

My favourite time of year

Aldeias Históricas... e n...

Momento musical


outros caminhos


Be Happy!!

Directorio de Blogs Portugueses