Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

Poesias e Lengalengas


Recados Para Orkut

O Castelo de Chuchurumel

 

Aqui está a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o pau

Que bateu no cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o lume

Que queimou o pau

Que bateu no cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está a água

Que apagou o lume

Que queimou o pau

Que bateu no cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o boi

Que bebeu a água

Que apagou o lume

Que queimou o pau

Que bateu no cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está o carniceiro

Que matou o boi

Que bebeu a água

Que apagou o lume

Que queimou o pau

Que bateu no cão

Que mordeu o gato

Que comeu o rato

Que roeu o sebo

Que unta o cordel

Que prende a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.

 

Aqui está a morte

Que levou o carniceiro

E que entrega a chave

Que abre a porta

Do castelo

De Chuchurumel.



Luisa Ducla Soares

(Recolha e Selecção de)

Lenga-lengas

Livros Horizonte


 

 

O Gonçalo

 

Olha, lá vai o Gonçalo, além

A caminho da escola

Vamos depressa apanhá-lo

Vamos com ele também

 

Tem sido meu companheiro

Da primeira à quarta classe

Pontual como o primeiro

Nunca vi que ele faltasse

 

É bondoso e aplicado,

Cortês e respeitador

Por isso é tão estimado

Pelo nosso Professor

 

 

As meninas

 

 

Arabela

abria a janela.

Carolina
erguia a cortina.


E Maria
olhava e sorria:
"Bom dia!"

Arabela
foi sempre a mais bela.

Carolina,
a mais sábia menina.

E Maria
apenas sorria:
"Bom dia!"

 

Pensaremos em cada menina

que vivia naquela janela;

uma que se chamava Arabela,

outra que se chamou Carolina.

 

 

Mas a nossa profunda saudade

é Maria, Maria, Maria,

que dizia com voz de amizade:

"Bom dia!"

 

Cecília Meireles

 

 

(Ou Isto ou Aquilo)

Editora Nova Fronteira

 

 

O homem que não queria comer couves

 

Era uma vez um homem

Que não gostava de couves

E estava sempre a dizer:

- Couves não hei-de  comer !

- Couves não hei-de comer !

 

Mandaram chamar o pau

Para vir bater no homem

O pau não quis bater no homem

E o homem não quis comer as couves

E estava sempre a dizer:

- Couves não hei-de  comer !

- Couves não hei-de comer !

 

Mandaram chamar o lume

Para vir queimar o pau

O lume não quis queimar o pau

E o pau não quis bater no homem

E o homem não quis comer as couves

E estava sempre a dizer:

- Couves não hei-de  comer !

- Couves não hei-de comer !

 

Mandaram chamar a água

Para vir apagar o fogo

A água não quis apagar o fogo

E o fogo não quis queimar o pau

E o pau não quis bater no homem

E o homem não quis comer as couves

E estava sempre a dizer:

- Couves não hei-de  comer !

- Couves não hei-de comer !

 

Mandaram chamar o boi

Para vir beber a água

O boi não quis beber a água

E a água não quis apagar o fogo

E o fogo não quis queimar o pau

E o pau não quis bater no homem

E o homem não quis comer as couves

E estava sempre a dizer:

- Couves não hei-de  comer !

- Couves não hei-de comer !

 

Mandaram chamar a morte

Para vir levar o boi

A morte quis levar o boi

O boi já quis beber a água

A água já quis apagar o fogo

O fogo já quis queimar o pau

O pau já quis bater no homem

O homem já quis comer as couves:

“eu ouvi sempre dizer

-como é bom couves comer !”

 

Alice Vieira

(Eu bem vi nascer o Sol)

Antologia da poesia popular portuguesa

Caminho

 

 

 

 

 

Lá vai o Manelzinho
a cavalo num burrinho


o burrinho é fraco
a cavalo num macaco


o macaco é valente

a cavalo numa trempe

 

 

a trempe é de ferro

a cavalo num martelo

 

 

o martelo bate sola
a cavalo numa bola


a bola é redonda
a cavalo numa pomba


a pomba é branca
a cavalo numa tranca

 

 

a tranca partiu-se
e o Manelzinho caiu.

 

Tradicional

 

 

As vozes dos animais

 

Palram pega e papagaio

E cacareja a galinha;

Os ternos pombos arrulham;

Geme a rola inocentinha.

 

Muge a vaca; berra o touro;

Grasna a rã; ruge o leão;

O gato mia; uiva o lobo,

Também uiva e ladra o cão.

 

 

 

Relincha o nobre cavalo;

Os elefantes dão urros;

A tímida ovelha bale;

Zurrar é próprio dos burros.

 

 

 

Regouga a sagaz raposa

(bichinho muito matreiro);

Nos ramos cantam as aves;

Mas pia o mocho agoureiro.

 

 


Sabem as aves ligeiras

O canto seu variar;

Fazem às vezes gorgeios,

Às vezes põem-se a chilrar.

 

O pardal, daninho aos campos,

Não aprendeu a cantar;

Como os ratos e as doninhas

Apenas sabe chiar.

 

 

 

O negro corvo crocita;

Zune o mosquito enfadonho;

A serpente no deserto

Solta assobio medonho.

 

 

 

Chia a lebre; grasna o pato;

Ouvem-se os porcos grunhir;

Libando o suco das flores,

Costuma a abelha zumbir.

 

 

 

Bramam os tigres, as onças;

Pia, pia o pintainho;

Cucurica e canta o galo;

Late e gane o cachorrinho.

 

A vitelinha dá berros:

O cordeirinho, balidos;

O macaquinho dá guinchos;

A criancinha vagidos.

 

A fala foi dada ao Homem,

Rei dos outros animais,

Nos versos lidos acima

Se encontram em pobre rima,

As vozes dos principais.

Pedro Diniz

 

 

 

 

{#emotions_dlg.no}

Procura mais...

publicado por VANDOVSKY às 00:09
link do post | comentar | favorito

                     Este    Blog              utiliza     o      Google                  Chrome

restos de mim

encontre outros restos

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30


novos restos

Primavera

Inscrição para uma lareir...

A neve

Quando Está Frio no Tempo...

David Bowie... Sempre

Winter Wonder

Menino

Clandestinos do Amor

UPI na Escola

Momentos de inspiração VI...

Momentos de inspiração VI

Momentos de inspiração V

Palavras de mãe

Dá-me um beijo

Dia nacional do estudante

Dia da mulher

Vamos adivinhar II

O Vento que soa...

De passagem por Monsanto....

A cerimónia do chá II

restos conservados

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

mais inspiradores

tags

todas as tags

restos especiais

Música Tradicional da Bei...

A minha Aldeia

My favourite time of year

Aldeias Históricas... e n...

Momento musical


outros caminhos


Be Happy!!

Directorio de Blogs Portugueses